PO

Pela libertação de Fariba Adelkhah e Roland Marchal, suspendamos toda a cooperação com as instituições universitárias iranianas

Assine aqui:

https://secure.avaaz.org/en/community_petitions/Ayatollah_Ali_Khamenei_Free_Fariba_Adelkhah_and_Roland_Marchal_scientific_prisoners_in_Iran/?emCCbgpb&utm_source=sharetools&utm_medium=email&utm_campaign=petition-808152-Free_Fariba_Adelkhah_and_Roland_Marchal_scientific_prisoners_in_Iran&utm_term=CCbgpb%2Ben

A 5 de Junho, Fariba Adelkhah, antrópologa, e Roland Marchal, sociólogo, dois investigadores de Ciências Políticas, foram presos no Irão acusados de atentarem contra a segurança do Estado. Esta acusação é grotesca. Se tivesse sido transmitida através de confissões na televisão, como é comum na República islâmica, não teria mais credibilidade. Fariba Adelkhah e Roland Marchal não têm nenhuma atividade política no Irão ou contra o Irão, nem estão ligados a nenhum serviço de informação, a sua agenda é apenas científica. Eles são prisioneiros científicos.

Na opacidade não se sabe de que negociação diplomática no quadro da crise regional, Teerão tomou por penhor dois investigadores cujos trabalhos permitiram iluminar, por um lado, as realidades subtis da República islâmica e, por outro, o jogo assimétrico dos países ocidentais nesta parte do mundo. Paradoxalmente, ao detê-los, os Guardas da Revolução  deixa o campo livre a todos os excessos que se ouvem sobre o Irão. Enquanto investigadores ou amigos da investigação, não podemos ficar satisfeitos com isto, mas também não podemos admitir que colegas sejam privados da sua liberdade de forma arbitrária, para servir de moeda de troca na cena internacional ou de meio de pressão no quadro da luta interna de fações dentro do regime.

Depois de quatro meses de negociação infrutífera entre Paris e Teerão, a suspensão de qualquer forma de cooperação universitária e científica institucionalizada com a República islâmica – com exceção do acolhimento de estudantes e de colegas a título individual – torna-se a partir de agora inevitável. Pela solidariedade profissional com Fariba Adelkhah e Roland Marchal mas também com os cerca de quinze investigadores estrangeiros detidos em circunstâncias idênticas nos últimos tempos.

A decência também o exige. Como trabalhar em conjunto quando sabemos que colegas estão a definhar nas prisões de Teerão? A precaução mais elementar torna também inevitável esta medida. O Ministério dos Negócios Estrangeiros solicita aliás aos cidadãos franceses para não voltarem ao Irão e o CNRS proíbe qualquer missão neste país. As instituições universitárias que ignorem estes alertas , correm um risco jurídico insensato. As famílias dos funcionários destas instituições terão o direito de se voltar contra as instituições em caso de detenção.

Ao manterem confidencial a prisão de Fariba Adelkah e de Roland Marchal, tanto quanto possível, autolimitando a sua mobilização política e a difusão de informação, os diplomatas , universitários e jornalistas franceses deram aos Guardas da Revolução a possibilidade de amortecer a máquina infernal que eles tinham desencadeado a 5 de Junho. Deixaram-lhes quatro meses para o fazer, embora eles  tenham preferido não aproveitar esta oportunidade, talvez inebriados pelo seu sucesso na cena internacional.

Pesemos as palavras. Não se trata de boicote, já que o termo é politicamente carregado. Não se trata de condenar um regime nem de deslegitimar os interesses geoestratégicos de um país que é parte integrante do concerto das nações. Trata-se de poder, ou não, trabalhar com as suas universidades. No estado atual das coisas não é possível fazê-lo. Também não falamos de tomada de reféns, mas antes de penhor, já que os Guardas da Revolução, tanto quanto se sabe, não pedem resgate, querem ganhar peso numa negociação diplomática, de fações rivais ou ainda de processos judiciais que envolvam os seus agentes detidos na Europa. E evitemos a expressão de investigadores “binacionais”. Nem todos os universitários da prisão de Evin o são e, se fossem, isso não mudaria nada ao problema. Esta expressão contém já a parte sacrificada concedida a Teerão. A prisão de universitários binacionais seria apenas em parte ilegítima ou preocupar-nos-ia apenas em parte. Não é disto que se trata e os Guardas da Revolução terão de entendê-lo.

A objeção de que a suspensão da cooperação científica penalizará os nossos colegas iranianos que enfrentam a repressão da República islâmica não resiste ao exame. Não nos parece que as trocas com o estrangeiro os tenham protegido, nem que a sua suspensão momentânea possa agravar a sua situação.

Se os Guardas da Revolução são indiferentes ao Saber, eles não podem ignorar completamente as pressões provenientes da sua própria sociedade – eles também têm filhos que frequentam a Universidade – ou das outras instituições do regime. Suspender a cooperação científica com o Irão, é inserir-se no jogo de forças subjacente às tomadas de decisão do Irão e reforçar o peso dos líderes políticos que desaprovam esta política cínica de tomada de penhores pois ela prejudica também os interesses do seu país. Não pretendemos isolar o Irão da cena científica internacional. Pretendemos que o país volte a respeitar as suas regras para que possamos continuar a trabalhar em conjunto. E reafirmamos  a nossa solidariedade com os nossos colegas iranianos.